"Temos 5% de chances de alcançar meta climática"

Kevin Anderson, especialista em clima, diz que manter o teto de 2ºC no aumento da temperatura é escolha e que países têm que agir rapidamente. Segundo ele, é moralmente errado culpar China por aquecimento global.

Kohlekraftwerk in China (picture alliance/dpa)

O Acordo de Paris fixou como objetivo limitar o aquecimento global a 2 graus Celsius em relação aos níveis pré-industriais. Para Kevin Anderson, um dos maiores especialistas em orçamento de carbono do mundo, uma meta que, no momento, parece quase inalcançável.

Em entrevista à DW durante a 23ª Conferência do Clima, em Bonn, na Alemanha, ele diz que países terão que começar rapidamente a tomar medidas para alcançar esse objetivo nos próximos três ou quatro anos.

Professor de energia e de mudanças climáticas da Universidade de Manchester, no Reino Unido, Anderson afirma que muitos argumentam que a China é a principal causadora do aumento das emissões. Mas, para ele, a culpa não é toda do gigante asiático, já que o Ocidente escolhe fabricar produtos em outros países "mais pobres, com menos direitos trabalhistas, salários mais baixos e condições ambientais mais frouxas". "Isso é moralmente suspeito", frisa.

DW – Qual é o nosso orçamento de carbono? Quanto gastamos e quanto há ainda de sobra?

Kevin Anderson – Nosso orçamento de carbono é a quantidade total de dióxido de carbono que nós podemos colocar na atmosfera e que proporciona uma certa temperatura média em todo o planeta. Quanto mais rápido nós usarmos esse orçamento agora, menos poderemos causar emissões de CO2 mais tarde. É como se fosse o nosso salário mensal. Globalmente, neste momento, estamos causando emissões incrivelmente rápido e usando todo o nosso dióxido de carbono como se não houvesse amanhã. Assim, não vamos conseguir chegar até o fim do mês. É como se estivéssemos desperdiçando nosso dinheiro em muitos jantares caros, carros chiques e outras coisas do tipo.

O estudo Orçamento Global de Carbono 2017 foi publicado nesta semana. Ele não trouxe boas notícias...

Sim, as notícias não foram boas. Os dados mais recentes mostram que, após os últimos três anos terem sido quase estáveis, as emissões neste ano parecem que voltaram a subir novamente em cerca de 2%. Isso é realmente um grande aumento em se tratando da questão que deveríamos reduzi-lo provavelmente próximo de 10% por ano.

Qual é a causa do aumento?

Algumas pessoas argumentam que a China é a principal causadora desse aumento, porque ela está queimando um pouco mais de carvão. Isso depende da forma como você analisa a questão. Eu tenho um MacBook que foi produzido na China, provavelmente usando energia originada do carvão. Eu não acho que podemos dizer necessariamente que toda culpa é da China.

O Ocidente, basicamente, tem essencialmente uma indústria offshore [em que é feita a realocação, por exemplo, da fabricação de produtos de um país para o outro] e temos a expectativa de que nações mais pobres, com menos direitos trabalhistas, salários mais baixos e condições ambientais mais frouxas produzam esses produtos para nós. E, então, nós os culpamos quando as emissões aumentam. Acredito que isso é moralmente suspeito.

Podemos viver sem combustíveis fósseis?

Em primeiro lugar, a maioria das pessoas no mundo usa muito pouco combustíveis fósseis. Então, para muitas pessoas, na verdade, não haveria uma mudança tão grande. Eu acredito que poderíamos fazer alterações quanto à distribuição de energia renovável em muitas partes mais pobres do mundo. Às vezes, produzir energia renovável de forma local pode ser muito mais efetivo e, na verdade, muito mais barato do que o uso de geradores a diesel. E acho que isso deve ser financiado de forma significativa pelos países do Ocidente que causaram esse problema.

Leia o artigo completo aqui.

COP23 entrega o que prometeu, mas não o que precisamos


A 23a Conferência do Clima das Nações Unidas (COP23) chega a seu encerramento nesta sexta-feira (17) em Bonn cumprindo sua proposta inicial: foram aprovados diversos elementos para a construção, ao longo do próximo ano, do livro de regras que permitirá a implementação efetiva do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas. Também foi criado um ambiente positivo entre os países para o Diálogo Talanoa, no ano que vem, no qual deverá ser iniciado um esforço global de aumento de ambição. Infelizmente, porém, trata-se de sucessos pífios diante da escala da crise climática, que segue cada vez maior.

A COP23 foi bem-sucedida em evitar que o eterno racha entre países desenvolvidos e em desenvolvimento produzisse retrocessos na negociação internacional. Também conseguiu isolar os Estados Unidos, desfazendo o temor de que o governo negacionista de Doland Trump pudesse tentar atrapalhar o processo.

O Brasil chegou a Bonn tentando vender a imagem de bom moço com a queda na taxa de desmatamento, mas foi desmascarado rapidamente pelos atos do presidente Michel Temer em casa. Acabou levando um raro e merecido Fóssil do Dia pelos subsídios trilionários propostos ao pré-sal. No mesmo dia, se ofereceu para sediar a COP25, em 2019. Pode ser uma chance para o país reinserir o clima em sua agenda de desenvolvimento.

No entanto, os debates na COP23 passaram ao largo do que realmente importa: a necessidade de aumentar enormemente as metas de redução de emissões e de financiamento climático antes que a janela de oportunidade ainda aberta para limitar o aquecimento global a 1,5oC se feche. Segundo a ciência, a ambição coletiva precisa ser turbinada até 2020, mas os 195 membros da Convenção do Clima que permanecem fiéis ao Acordo de Paris até agora não se mostraram dispostos a botar as cartas na mesa. O blefe coletivo dos governos pode custar a segurança climática da humanidade neste século.

“A COP23 começou com o lema ‘mais longe, mais rápido, juntos’. Conseguiu entregar o ‘juntos’, o que é melhor que nada, mas não foi nem longe, nem rápido. Todas as expectativas agora ficam por conta da COP24, na Polônia, no ano que vem. O risco disso é enorme”, disse André Ferretti, gerente de Estratégias de Conservação da Fundação Grupo Boticário e coordenador-geral do Observatório do Clima.

U.N. Climate Projects, Aimed at the Poorest, Raise Red Flags Image

A landmark pledge seven years ago by the world’s richest nations to spend billions to help developing countries tackle climate change seemed like a godsend for Kiribati, the Pacific island nation threatened by rising seas.

The result of that promise was the Green Climate Fund. But Kiribati — like many of the poorest countries most vulnerable to climate change — has yet to see any project funding.

Instead, many of the projects that have won early backing were approved despite concerns raised by current and former observers on the fund’s board over whether officials had done due diligence on projects — especially on those involving the private sector, which make up half of the approximately $2.6 billion in project financing authorized so far.

“We raised our objections, but the gavel just came down,” said Liane Schalatek, one of two civil society observers on the fund’s board and associate director at the Heinrich Böll Foundation North America, an environmental group associated with the Greens party in Germany.
Read more at NYT.

Mais itens...

  1. Discurso da chanceler alemã desanima ambientalistas na COP23
  2. Planos de venda rápida levantam temores quanto a uma corrida global pelas reservas do pré-sal
  3. “Não podemos repetir Copenhague”, diz brasileiro
  4. Entre a poesia e a eficácia na COP 23
  5. A 23ª Conferência do Clima da ONU, a COP23 "UN Climate Change Conference 2017" busca aumentar de forma rápida e conjunta o nível de ambição nas negociações.
  6. COP23 Kicks Off with Strong Calls to Hold to Paris Agreement Path
  7. Biomassa como energia sustentável
  8. PBMC Report Launch at COP 23 - Espaço Brasil na COP 23
  9. AdaptaClima: Andrea Santos, Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas
  10. Artigo: Precisamos falar sobre o clima
  11. 2017 deve terminar entre os três anos mais quentes do registro histórico
  12. O que nós esperamos da COP23
  13. Melhor cenário de corte de emissões de CO2 resolve só 1/3 do aquecimento global
  14. Entrevista: ‘Não basta reduzir as emissões, mas criar mecanismos de nos adaptar’, diz especialista
  15. Desmatamento faz emissão de gás do efeito estufa subir 8,9% no Brasil
  16. Emissão de gases-estufa subiu 9% no Brasil em 2016
  17. Quem faz mais pelo clima na América Latina?
  18. OS TRILHÕES DE PREJUÍZOS COM DESASTRES NATURAIS NOS EUA
  19. Ophelia: Storm kills three people as high winds wreak havoc across Ireland and UK
  20. Número de mortos nos fogos sobe para 41
  21. É urgente mudar nosso estilo de desenvolvimento, - diz professora da UFRJ
  22. Novos incêndios deixam ao menos 40 mortos em Portugal e Espanha
  23. Estudo liga energia menos poluente a redução de mortes
  24. Vieram para ficar
  25. Sustainable Wood
  26. Impactos da elevação das marés em Santos já são visíveis
  27. #Leilãofóssilnão: que campanha brasileira é essa que está mobilizando o mundo todo?
  28. O Brasil está pegando fogo
  29. Porto Rico aguarda inundações catastróficas depois do furacão Maria. Há 15 mortos em Dominica
  30. We’re building roads to withstand last century’s climate
  31. Furacão Maria se fortalece e atinge nível 5: 'potencialmente catastrófico'
  32. Hurricane Maria strengthens to category three storm and heads for Caribbean
  33. Pesquisa aponta queda de 70% na produção de castanha-da-amazônia
  34. Yes, climate change made Harvey and Irma worse
  35. 'História vai julgar quem não agir contra aquecimento global', diz Papa
  36. Estudo alerta para efeito devastador da fumaça das queimadas na saúde
  37. Perspectiva sombria para geleiras asiáticas pelo aquecimento global
  38. Por que nos esquecemos das vítimas de catástrofes ambientais da Índia e do continente africano?
  39. Poluente emitido pela queima de biomassa causa dano ao DNA e morte de célula pulmonar
  40. The Guardian view on climate change: see you in court
  41. Irma provoca destruição e mortes nos EUA
  42. Furacão Irma deixa mortos em sua passagem pelos EUA
  43. Furacão Irma atinge a Flórida e causa mortes; centro de Miami está inundado
  44. Após Irma, tempestades Kátia e José se tornam furacões no Atlântico
  45. Furacão “Jose” é elevado para categoria quatro e avança para áreas devastadas pelo “Irma” no Oceano Atlântico
  46. Furacão “Irma” torna-se a tempestade mais duradoura já registrada em todo o planeta Terra
  47. Furacão Irma destrói 95% da ilha de São Martinho no Caribe
  48. Furacão “Irma” torna-se um “monstro” e devastação pode atingir países do Caribe até a Flórida, Estados Unidos
  49. Especialista explica efeitos das mudanças climáticas
  50. Cobertura Quente de Evento da ONU (COP-23)
  51. Clima Info
  52. FURACÃO HARVEY NÃO VEIO DO NADA. É HORA DE FALARMOS SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS.
  53. As enchentes da Índia expõem a vulnerabilidade dos países pobres às mudanças climáticas
  54. Did Climate Change Intensify Hurricane Harvey?
  55. Estudo da Ufac aponta que nos próximos 13 anos o Rio Acre pode secar
  56. Silver linings: the climate scientist who records cloud behaviour
  57. Atentado ambiental
  58. Software ajudará a construir plano estadual de mudanças climáticas
  59. Temperatura na capital já aumentou mais de 1ºC, diz estudo
  60. No Alasca, geleiras escancaram impacto de mudanças climáticas
  61. Mudanças no clima no país afetarão abelhas e polinização de culturas Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/agro/5073044/mudancas-no-clima-no-pais-afetarao-abelhas-e-polinizacao-de-culturas ou
  62. A ‘mini-Katrina’ flooded parts of New Orleans
  63. Arctic sea-ice decline weakens the Atlantic Meridional Overturning Circulation
  64. Vivi o bastante para ver um megaincêndio na Groenlândia
  65. Human-caused warming likely led to recent streak of record-breaking temperatures
  66. Poluição no ar mata 11 mil por ano em São Paulo
  67. Desastres relacionados ao clima podem afetar cerca de dois terços dos europeus até o final deste século
  68. Temperaturas de onda de calor ‘Lúcifer’ ultrapassam 40ºC na Itália e no leste da Europa
  69. Onda de calor deixa Europa em alerta e prejudica vinho italiano
  70. Onda de calor deixa 11 países da Europa em estado de emergência
  71. Portugal com 79% do território em seca severa e extrema
  72. Reservatório de Sobradinho atinge nível mais baixo desde sua criação
  73. Negacionismo do clima e também do desenvolvimento sustentável
  74. Terra pode aquecer até 5° C neste século, diz estudo
  75. Agência da ONU registra recordes de calor em diferentes partes do mundo nos meses de maio e junho
  76. Catástrofe climática: a Terra inóspita e inabitável
  77. Esplanada coberta por neve? Confira imagens do frio em Brasília há 55 anos
  78. Nevasca em Bariloche prenuncia chegada de frente fria no Brasil
  79. Iceberg gigante se desprende na Antártica
  80. Major correction to satellite data shows 140% faster warming since 1998
  81. Global Warming Might Be Speeding Up
  82. Como as 20 maiores economias do mundo financiam o caos climático
  83. Debate climático domina G20 e faz de Trump antagonista na cúpula
  84. Tá frio aqui, mas, só pra lembrar, o planeta segue aquecendo
  85. Café ameaçado com o aquecimento global
  86. focos de calor devem aumentar nos próximos meses
  87. Cresce número de cidades em estado de emergência
  88. Limite da ciência - Suzana Kahn
  89. Três anos para virar o jogo climático
  90. Um terço da humanidade enfrenta ondas de calor mortais
  91. Alemanha destina novos recursos ao Brasil
  92. Depois da Noruega, Alemanha também deve cortar verba do Fundo da Amazônia
  93. Noruega corta 50% do Fundo Amazônia, e Sarney entrega desmatamento a Deus
  94. Climatologista alerta sobre urgência da criação de leis que considerem o aumento do nível do mar
  95. Cidades costeiras são as mais vulneráveis a mudanças do clima
  96. Estudo traça impacto e estima prejuízo com a mudança climática no país
  97. Cientistas divulgam relatório sobre vulnerabilidades e adaptação das cidades costeiras brasileiras
  98. ABC marca presença em debate sobre mudanças climáticas
  99. Rio Grande do Sul tem 52 municípios em situação de emergência
  100. Aumento do nível do mar já causa impactos em Vitória

Unicast