UNESCO realiza em Paris encontro anual sobre proteção de ecossistemas marinhos

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), por meio de sua Comissão Oceanográfica Intergovernamental, promoveu no início de dezembro (6 a 8) em Paris o 18º Encontro Consultivo Anual de projetos para grandes ecossistemas marinhos.
O evento destacou avanços alcançados e o trabalho ainda necessário para uma eficaz gestão e governança dos ecossistemas transfronteiriços, diante do propósito de se atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030.
A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), por meio de sua Comissão Oceanográfica Intergovernamental, promoveu no início de dezembro (6 a 8) em Paris o 18º Encontro Consultivo Anual de projetos para grandes ecossistemas marinhos.
O evento destacou avanços alcançados e o trabalho ainda necessário para uma eficaz gestão e governança dos ecossistemas transfronteiriços, diante do propósito de se atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030. O encontro discutiu formas de proteger e administrar os ecossistemas que cruzam fronteiras nacionais. Tal questão é importante para a gestão de Grandes Ecossistemas Marinhos (LMEs, na sigla em inglês), ecossistemas baseados em áreas ecologicamente distintas de vasto espaço oceânico (aproximadamente 200 km2) presentes ao longo das costas das bacias oceânicas do Atlântico, do Pacífico e do Índico.
Os 64 LMEs existentes no mundo produzem mais de 85% da pesca anual mundial e fornecem os principais serviços do ecossistema, como a proteção costeira natural e o sequestro e armazenamento de carbono, o chamado blue carbon.
A Comissão Oceanográfica Intergovernamental tem organizado encontros consultivos anuais com profissionais envolvidos em projetos dos LMEs desde 1997. Trata-se de um espaço para especialistas marinhos e costeiros financiados pelo Global Environment Facility (GEF) compartilharem experiências e aprendizados a respeito da governança baseada em ecossistemas.
O evento reuniu gestores marinhos, costeiros, especialistas em projetos de combate às mudanças climáticas e de adaptação costeira da biodiversidade para discutir desenvolvimentos recentes e soluções para a implementação das parcerias de LMEs em todo o mundo.

Fonte: ONU BR

Jobs in solar, wind power are growing 12 times faster than U.S. economy

The shift from fossil fuels to renewable energy is inevitable, since coal, oil and gas are far more finite than wind or sunlight. And because fossil fuels also emit greenhouse gases that cause high-speed climate change, there's good reason not to dawdle.

As a new report illustrates, the outlook for renewable energy is bright in the United States, the No. 2 emitter of greenhouse gases worldwide. Jobs in solar power are currently growing at about 20 percent annually, a rate 12 times faster than the rest of the U.S. economy, according to a report from the U.S.-based nonprofit Environmental Defense Fund (EDF). Jobs in wind power are growing at roughly the same rate, the EDF adds, and wind-turbine technician is now the fastest-growing profession in the country overall.

"These aren't just any jobs; they are well-paying, local opportunities that bolster our domestic economy," writes EDF Climate Corps director Liz Delaney in a blog post about the report. "Most renewable and energy-efficiency jobs can be found in small businesses, requiring on-site installation, maintenance and construction, making them local by nature. And many pay higher than average wages. For example, energy-efficiency jobs pay almost $5,000 above the national median, providing rewarding employment options to all Americans — even those without college or advanced degrees."

Overall, U.S. renewable-energy jobs have seen a compound annual growth rate (CAGR) of 6 percent since 2012, according to the report, rising to 769,000 jobs in 2015. "This stands in stark contrast to the boom and bust cycles that characterize employment in fossil fuel extraction industries," the EDF adds, noting that fossil-fuel jobs have collectively declined during the same period, with a CAGR of -4.25 percent since 2012. Plus, according to a recent study in the journal Economic Modelling, investments in renewable energy generate about three times more direct and indirect jobs than comparable investments in fossil fuels.

While most U.S. energy still comes from fossil fuels, renewable sources — especially wind and solar power — are rapidly catching up. They now represent the largest share of all new electricity-generation capacity installed in the U.S., the EDF reports, at about 64 percent each year. They're also becoming more affordable, with production costs of photovoltaic solar panels dropping 72 percent from 2010 to 2015, helping U.S. solar deployment grow by a factor of 10 in just five years. The country is also seeing significant yearly growth in wind power, which has more than doubled its total capacity to 74 gigawatts since 2009.

The EDF report focuses on the U.S., but similar trends are unfolding around the planet. As of 2015, more than 8.1 million people held renewable-energy jobs worldwide, according to the International Renewable Energy Agency, a 5 percent increase from 2014 — even as broader energy-sector jobs declined. In China, the No. 1 global emitter of greenhouse gases, renewable energy employed 3.5 million people in 2015, while oil and gas employed 2.6 million. And as the United Nations Environment Program reported in 2016, global investments in renewable energy have risen nearly 300 percent over the past 10 years.

Still, despite the momentum — and inevitability — of renewable energy's rise to power, its short-term growth remains vulnerable to shifting political winds. Thanks to the pace of election cycles, politicians don't always feel pressure to address long-term dangers like climate change and limited energy supplies, focusing instead on more immediate economic worries. Yet luckily for the renewable-energy industry (and its many beneficiaries), there is one issue that almost always gets a politician's attention: jobs. 

From: MNN

Temperatura média global cresce 0,17 grau Celsius por década

Ainda que o planeta sempre tenha sofrido alterações climáticas naturais e grandes catástrofes, as mudanças no clima estão se tornando cada vez mais frequentes, em proporção global. Nos últimos 100 anos, nunca foram registradas mudanças tão rápidas e devastadoras como têm sido. A onda de calor tem crescido de maneira intensa e constante.

A expectativa é que este verão de 2017 seja ainda mais quente do que o do ano passado, quando o El Niño, fenômeno que aumenta a temperatura da Terra, estava aqui. Para comparação, podemos observar que em 1905, quando a atividade industrial não afetava o ambiente como hoje, a temperatura média da Terra era de 13,78 grau Celsius. Atualmente, a situação é ainda mais preocupante, uma vez que a temperatura média global está crescendo 0,17 grau Celsius por década.

Além do aumento da temperatura, as cidades enfrentam os efeitos das ilhas de calor, como aponta Andrea Santos, secretária-executiva do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas.

— A La Niña, que deveria contribuir para amenizar a temperatura do verão, desapareceu rapidamente — assinala Andrea, que também é gerente de projetos do Fundo Verde da UFRJ — Mesmo a proximidade com as florestas e o mar não estão freando o aumento da temperatura no Rio. A cidade se expandiu sem planejamento e faltam árvores em muitos bairros.

O El Niño, segundo a climatologista, contribuiu com apenas 10% do aumento da temperatura do planeta no último ano. Por isso, os próximos anos podem bater recorde de temperatura mesmo sem a presença deste fenômeno climático."

Clique aqui e leia mais sobre o assunto.

Mudança climática levará a branqueamento anual dos corais, alerta ONU

Segundo a ONU Meio Ambiente, os corais são um dos ecossistemas mais importantes do planeta e estão perdendo suas cores devido aos impactos da mudança climática. Recifes de corais já estão sob ameaça devido à pesca excessiva e ao turismo e são muito vulneráveis à mudança climática porque são afetados facilmente pelo aquecimento das águas.

Se as tendências atuais continuarem e o mundo deixar de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, quase todos os recifes de coral do mundo sofrerão branqueamento severo, alertou na quinta-feira (5) um novo estudo do Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA).
Segundo a agência, os corais são um dos ecossistemas mais importantes do planeta e estão perdendo suas cores devido aos impactos da mudança climática.
Pelas projeções do estudo, os recifes de Taiwan e das ilhas caribenhas Turcas e Caicos serão os primeiros a enfrentar o branqueamento anual. Algumas décadas depois, será a vez dos corais do Barein, do Chile e da Polinésia Francesa perderem suas cores.
Segundo o chefe do PNUMA, Erik Solheim, “as previsões representam um tesouro para os que lutam para proteger um dos ecossistemas mais magníficos e importantes do mundo. Com os dados, pesquisadores e governos poderão agir antes que seja tarde demais e priorizar a conservação”.
O estudo aponta que, em média, os corais vão começar a sofrer um branqueamento anual a partir de 2043. Sem o mínimo necessário de cinco anos para a regeneração, as ocorrências anuais terão um efeito mortal sobre os corais e perturbarão os ecossistemas que eles suportam.
No entanto, se os governos assumirem as promessas do Acordo de Paris e reduzirem as emissões de gases, os recifes terão mais 11 anos para se adaptar ao aquecimento da água do mar antes de começarem a perder a coloração.
Entre 2014 e 2016, houve o maior branqueamento já registrado no mundo, que matou corais numa escala sem precedentes. No ano passado, 90% da Grande Barreira de Corais da Austrália sofreu branqueamento e mais de 20% dos recifes da região acabaram morrendo.
Os recifes de corais já estão sob ameaça devido à pesca excessiva e ao turismo e são muito vulneráveis à mudança climática porque são afetados facilmente pelo aquecimento das águas.
Quando a temperatura do mar sobe, as algas que dão as cores vibrantes aos corais saem do hospedeiro, fazendo com que os corais fiquem brancos. Sem as algas, os corais correm risco de passar fome e ficam suscetíveis a doenças. Acesse o estudo clicando aqui. 

Fonte: ONUBR

Mais itens...

  1. Lei das Águas do Brasil foi sancionada há 20 anos
  2. Methane impact on global climate change 25% greater than previously estimated
  3. Nasa: 2016 seria recorde mesmo sem El Niño
  4. Antonina registra sensação térmica maior do que no Deserto do Saara: 59ºC
  5. Totalmente seco, Açude do Cedro acumula mais de 400 tartarugas mortas e ameaça ecossistema
  6. Freezing conditions cause death and chaos across Europe
  7. Nordeste enfrenta maior seca em 100 anos
  8. Sudeste perdeu 56 trilhões de litros de água nos últimos três anos, diz Nasa
  9. Corrente do Golfo pode parar, diz estudo
  10. 2016 foi mesmo o mais quente, diz agência
  11. Greenland Ice Melt Could Push Atlantic Circulation to Collapse
  12. Acordo de Paris completa um ano
  13. Mapa mostra em tempo real nível da poluição atmosférica da Terra
  14. Aquecimento global derreterá todo o gelo do Ártico até 2050, diz pesquisa
  15. Adeus aos grandes mamíferos do planeta
  16. Não basta plantar árvores. Poluição por ozônio só vai cair com menos carros
  17. 2016: O ano em que o calor na Terra bateu recordes
  18. Mudanças Climáticas e Cidades 2016 - Highlights do Sumário Executivo
  19. Research for Climate Action at COP22 TODAY - 17th November
  20. Coppe integra rede internacional de ação contra a mudança climática que foi lançada na COP22
  21. COP22 – A negociação Climática em Marrakech
  22. Professores da Coppe apresentam estudos na COP22
  23. Inovação e clima
  24. Rumo a um novo recorde
  25. Conheça o plano mundial para lidar com o aquecimento global
  26. Pronto para o impacto? 5 ameaças da mudança climática ao Brasil
  27. Cidades estão na causa e na consequência da mudança do clima
  28. Mercado de carbono dá licença aos mais ricos para poluir, afirmam ambientalistas
  29. Cientistas temem cidades vulneráveis às mudanças climáticas
  30. Confira as apresentações do Side Event PBMC COP22 "Climate Change and Cities"
  31. Reuniões globais de clima são 'frustrantes' porque estão longe da 'vida real', diz cientista brasileira
  32. Pesquisadores conseguem desvendar mistério sobre as chuvas da Amazônia
  33. Limite dos 400 ppm foi ultrapassado “por várias gerações”, diz ONU
  34. Brasil tenta regular novo mercado de carbono
  35. Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas apoia chamada de autores para o sexto relatório de avaliação do IPCC
  36. Brasil participou ativamente de acordo para eliminar gás-estufa
  37. Acordo de Paris entra em vigor em Novembro
  38. RENOVÁVEIS – O avanço é notável, mas ainda enfrenta o poder monumental das fontes fósseis
  39. Concentração de CO2 passa 400 ppm em 2016
  40. Desastres naturais será um dos temas discutidos na conferência internacional sobre mudanças climáticas
  41. Pesquisadores apresentam projeções para extremos climáticos no Sudeste brasileiro
  42. Cinco medidas para zerar o desmatamento no Brasil
  43. Groenlândia registra recorde de calor e degelo precoce
  44. Conter o aquecimento global em 1,5 °C: um desafio (ainda) possível
  45. Agosto Mais Quente em 136 Anos
  46. Gelo no Ártico perdeu área equivalente a Amazonas e Mato Grosso
  47. Mais 31 países ratificam o Acordo de Paris; entrada em vigor está próxima
  48. Projeções sugerem que estiagem no Nordeste poderá ser mais severa
  49. Brasil ratifica o Acordo de Paris. E agora?
  50. O fim da era fóssil?
  51. Derretimento de solo congelado expõe ameaça de vírus e bactérias
  52. Curso Inventário de Gases de Efeito Estufa: Sustentabilidade Corporativa e Pública
  53. Cemaden discute parceria científica com centro de pesquisas europeu para sistema de alerta em escala continental e global
  54. Câmara aprova ratificação do Acordo de Paris
  55. Aquecimento global já altera comportamento das nuvens
  56. Costa do Paraná deve ser atingida por ondas de até cinco metros
  57. Um Atlas de nossa agricultura envenenada
  58. Extremos climáticos chegaram mais rápido que o esperado", diz Carlos Nobre
  59. Inventário de Gases de Efeito Estufa: Sustentabilidade Corporativa e Pública
  60. Repercussão na mídia do artigo sobre o Acordo de Paris assinado por Professor da Coppe
  61. Planeta pode aquecer 3,1°C se metas do Acordo de Paris não ganharem impulso
  62. Temperatura pode subir 3°C se meta do clima não for ampliada
  63. Acordo de Paris subiu no telhado
  64. As Mudanças Climáticas e as Cidades Brasileiras
  65. É tetra!
  66. South Pole is last place on Earth to pass global warming milestone
  67. Asfalto permeável acaba com enchentes e contaminação do mar
  68. Paris floods made almost twice as likely by climate change, say scientists
  69. Cientistas descobrem o que está matando as abelhas, e é mais grave do que se pensava
  70. Pesquisadores protestam na web por volta de Ministério da Ciência
  71. 10º evento em homenagem ao dia do meio ambiente
  72. Tempestade magnética provoca pânico em Campinas e confirma urgência de preparo para eventos extremos
  73. Chile tem tanta energia solar que agora é de graça
  74. Mudanças climáticas ameaçam agricultura familiar nas regiões Norte e Nordeste, diz centro da ONU
  75. Seremos realmente capazes de mudar o rumo do nosso planeta?
  76. A arrancada dos carros elétricos
  77. Ban appoints Mexican diplomat to head UN climate change framework
  78. Pinguelli deixa fórum do clima por discordar de impeachment
  79. Clima polar: Rio tem dia mais frio do ano
  80. Workshop: As mudanças climáticas e as cidades brasileiras - Riscos e medidas de respostas
  81. Descaso com a Ciência
  82. Pesquisadores observam efeito da temperatura em processos evolutivos oscilatórios
  83. Cinco ilhas do Pacífico já desapareceram por causa da elevação do nível do mar
  84. Licenciamento ambiental pode deixar de existir
  85. Acordo de Paris será aberto para assinaturas; 55 países precisam ratificar
  86. Na ONU, 175 países assinam Acordo de Paris sobre mudanças climáticas
  87. Adoção do Acordo de Paris
  88. No modelo econômico o planeta ferve, e o aquecimento continua
  89. Grande Barreira de Coral australiana perdeu 93% da cor, dizem cientistas
  90. 2016 caminha para ser o ano mais quente da história
  91. April 22 Paris Agreement Signing in New York Over 130 Countries Confirm Attendance - Update to Event, Guide to Subsequent Ratification
  92. Revista do grupo Nature destaca participação de professores da Coppe entre autores do IPCC
  93. Campanha #ClimaMuitoLoko conecta cotidiano das pessoas às Mudanças Climáticas
  94. Alterações Climáticas: que políticas públicas para futuros governos?
  95. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  96. Mudanças climáticas podem gerar rombo financeiro trilionário
  97. O mês de março de 2016 foi o mais quente já registrado no Brasil
  98. EUA alertam sobre riscos das mudanças climáticas para saúde
  99. Pantanal pode ter temperaturas elevadas em 7º C até 2100, indica estudo
  100. ONU seleciona projetos inovadores para combater mudanças climáticas

Unicast